21:51 | Author: Cristina
      Retirei do livro "As sete maiores descobertas científicas da história" a passagem a seguir:

      "Entramos no século XX a cavalo. Sairemos dele a bordo de naves espaciais. Ingressamos neste século morrendo de febre tifóide e varíola, e nos despedimos dele tendo vencido essas doenças. Na virada do século XIX, transplantes de órgãos eram inconcebíveis, enquanto na virada deste século muitos terão sobrevivido porque o coração ou outro órgão vital de uma outra pessoa os sustenta. Em 1900, a expectativa de vida humana era de 47 anos. Hoje é de 75. Adentramos este século comunicando-nos a curta distância com o recém-inventado rádio. Hoje enviamos sinais e imagens coloridas através de bilhões de quilômetros no espaço.
      Entramos no século XX sem nenhuma idéia das dimensões do universo, acreditamos que nada existia além da galáxia da Via Láctea e que as estrelas eram imóveis. Deixaremos o século XX cientes de que estamos a bordo de uma esfera minúscula próximo a uma estrela no extremo de uma galáxia em rotação entre bilhões de outras estrelas e galáxias, ainda sofrendo efeitos de uma violenta explosão ocorrida há 15 bilhões de anos.
      Ingressamos no século XX satisfeitos com a física newtoniana, e saímos sabendo que os princípios de Einstein são necessários para explicar totalmente o universo. Quando este século começou, havíamos acabado de explorar o átomo de Leucipo. Quando ele se encerra, desintegramos o átomo em partículas com espantosa habilidade - uma arma nuclear pode liberar mais força destrutiva do que toda a energia de todas as armas de todas as batalhas da história anterior da humanidade.
      Em 1900, duvidávamos de que Darwin tivesse razão. Na reta de chegada para o próximo milênio, eliminamos todas as dúvidas depois de ter desenterrado Lucy e outros ancestrais. Logramos compreender o intrincado funcionamento da célula, bem como aprendemos a mapear a molécula de DNA, clonar animais e decifrar códigos genéticos."

Fonte: BRODY, David Eliot e BRODY, Arnold R. As sete maiores descobertas científicas da história. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.

      Como podemos observar nessa passagem estamos em constante aprendizagem. A ciência evolui a cada dia que passa, hoje possuímos remédios e vacinas para muitas doenças que antigamente levavam a morte. Podemos ver reflexo disso na expectativa de vida que cada vez aumenta mais, antigamente jamais se esperava que alguém conseguisse chegar aos 100 anos, e hoje em dia conhecemos pessoas que passaram dessa idade. Mas para continuarmos a evoluir, devemos respeitar o planeta em que vivemos e conhecê-lo melhor. Devemos aprender a cuidar do nosso planeta para que possamos usufruir do conhecimento que estamos adquirindo. Pois somos capazes de criar uma arma com poder destrutivo enorme, mas ainda não somos capazes de criar um novo planeta para vivermos.
Links para esta postagem